quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Godzilla, o folclórico monstro japonês retorna em 2016

INSPIRAÇÃO PARA QUEM CURTE MONSTROS,
GODZILLA RESURGENCE (Shin Gojira) JÁ TEM DATA DE ESTRÉIA

Ontem saiu a primeira imagem do novo filme do Godzilla, este feito no Japão sua casa de origem. E já tem data de lançamento por lá: 29 de julho de 2016.



Algumas pessoas pela internet reclamaram do visual do monstro, afinal de contas o filme de 2014 produzido pelos Estados Unidos é o design mais marcado atualmente na memória das pessoas do ocidente. Entretanto, para quem é realmente fã dos filmes de monstros terá uma grata surpresa, afinal esta repaginação do monstro lembra muito o visual da clássica criatura de 1954, sua primeira aparição.

O Godzilla do primeiro filme era uma metáfora do horror nuclear no fim da Segunda Guerra Mundial. Muitos vêem o Godzilla apenas como um lagarto de escamas com hálito atômico, mas para quem curte a mitologia dos monstros existe algo muito maior. Foi neste filme que o mundo conheceu um dos grandes mestres de filmes e seriados de monstros japoneses: Eiji Tsuburaya, o criador do visual do monstro.

Vamos contar primeiro um pouco da história: o produtor Tomoyuki Tanaka estava trabalhando em um filme totalmente diferente para Toho chamado “In the Shadow of Honor”, cerca de um soldado lutando japonês na Indonésia como parte da independência do país da Holanda após a II Guerra Mundial. Foi uma produção conjunta com a empresa de propriedade do governo da Indonésia filme, só que em março de 1954 as filmagens precisaram parar devido as condições do clima. Iwao Mori um alto executivo da Toho acabou desistindo do projeto quando o visto dos atores que trabalhavam na película não foram renovados e pediu ao diretor que fizesse um um filme diferente. Tanaka em seu vôo de volta ao Japão havia lido um artigo de jornal sobre o incidente do barco Daigo Fukuryu Maru, uma nau de pesca japonesa que estava operando perto do Atol de Bikini, quando o governo dos EUA estava testando uma bomba termonuclear em 1º de março de 1954. A explosão foi maior que o esperado e as pessoas nas chamadas "zonas seguras" acabaram atingidas, e isso incluiu o Daigo Fukuryu Maru. A tripulação do navio sofreu grande exposição à radiação sofrendo queimaduras e doenças além de um membro ainda ter morrido por envenenamento. A nova praga nuclear também atingiu o mercado de pesca japonês em uma época que ainda ressentiam-se com os americanos no pós guerra. Resumindo: era uma época difícil por lá.

Um ano antes o filme de ficção científica americano The Beast De 20.000 Fathoms, narrou a história de Rhedossaurus um dinossauro despertado por um teste de bomba nuclear causou grande interesse no ocidente, foi daí que Tanaka teve sua premissa básica. No entanto, isso era tudo o que tinha: um monstro gigante criado por testes de bombas nucleares. O projeto logo foi apelidado de "Projeto G", para "Gigante". Ishiro Honda entrou em cena por trás da câmera após diretor original Senkichi Tamaguchi mudar-se para outro projeto.

Durante os meses de abril e maio de 1954 surgiram todos os tipos de ideias, incluído polvo gigante, uma mistura de baleia com gorila que lembrava o King Kong (que neste caso aproveitaram o nome de Gojira, que é mesmo uma combinação das palavras “gorira”-gorila e “kujira”-baleia) Até a ideia óbvia do cruzamento de dinossauros. Algumas versões iniciais do projeto para Godzilla ainda incluiu uma cabeça de cogumelo para fazer todo o aspecto "precipitação nuclear" ainda mais clara.

Limitações de tempo desempenhou um papel importante no olhar de Gojira, assim, como Tanaka teria preferido a utilizar o método de animação stop-motion de The Beast De 20.000 Fathoms, mas que era muito demorado, e a produção foi marcada para começar em agosto para lançamento em novembro. Então eles acabaram indo com um dublê em um terno com um modelo em escala de Tóquio.

Vale destacar que nada das ideias foram totalmente descartadas. Temos a criatura do mar (mesmo não sendo um polvo) temos o nome Gojira, que já foi explicado, temos o dinossauro como corpo base do monstro e sua cabeça projetada claramente para que em algumas tomadas do primeiro filme remeterem propositalmente a ideia do cogumelo nuclear.



Para o filme de 2016, a dupla Hideaki Anno e Shinji Higuchi (responsável pelos efeitos do filme Ataque ao Titan - Shingeki no Kyojin) pretende remeter o filme ao terror de 1954, e, visto os problemas com usinas nucleares como Fukushima em 2013, não será difícil conseguirem. O filme de 2014 e Pacific Rim em 2013 trouxeram de volta a paixão dos filmes estilo Sessão da Tarde com monstros. Lembrando que o concorrente maior de Godzilla também tem um filme pronto para ser lançado em 2016, trata-se de Gamera que completou seu quinquagésimo aniversário este ano! Será um duelo interessante de monstros em 2016. Tóquio irá resistir?

segunda-feira, 15 de junho de 2015

sábado, 30 de maio de 2015

Nem Morto, Nem Esquecido!

TUPANAOCA, LIPE DIAZ E A BELA ARTE DE ALINE GONÇALVES

As vezes a melhor maneira de se aproximar de algo é se afastando. Durante seis meses o blog esteve parado. Eu confesso que gosto muito do projeto de Tupanaoca, mas existe algo que ainda não se encaixa e que, por não saber o que é, você acaba vendo que as coisas não fluem da maneira que você deseja. Por enquanto estou dando um tempo nas histórias, treinando um pouco o traço com o professor Lipe Diaz, cujo trabalho é reconhecido internacionalmente na área de quadrinhos e fazendo mais amizades e procurando trocar mais ideias para o desenvolvimento deste projeto.

Mesmo “parado” este tempo, acabei surpreendido recentemente pela arte da autora Aline Gonçalves que escreve o quadrinho “Caminhos para a Vida” no site UPMANGA. Para quem não conhece o trabalho dela, a Aline é uma escritora que trabalha dramas muito verossímeis com a vida cotidiana das pessoas e é isso que você vai encontrar na história dela, um drama humano, denso e que reflete a vida cheia de traumas e dificuldades que seres humanos precisam enfrentar. Quem quiser conhecer a história é só clicar >>>AQUI<<<!



E, outra dica é para quem gosta de desenhar e quiser aprimorar os seus trabalhos aqui no Rio de Janeiro é entrar em contato com o professor Lipe Diaz através do seu site >>>AQUI<<<. A partir de 06 de junho deste ano ele estará começando com novas turmas. O sistema de estudo será focado individualmente na necessidade de cada aluno, funciona quase como uma aula particular, só que em turma... Eh!... Escrevendo assim pode parecer esquisito, mas funciona! Ele já foi professor da Impacto de Botafogo com um método semelhante e revelou vários desenhistas que hoje trabalham para variadas editoras no mundo, no site dele há o portfólio. É só clicar lá e conhecer.

Por hoje é só. Boa semana a todos!